Não é de hoje que grandes empresas da tecnologia têm voltado seu olhar para a área da saúde. O Google, por exemplo, anunciou recentemente um investimento de bilhões em soluções tecnológicas, incluindo o uso da inteligência artificial, na área da saúde.

Entre inúmeros projetos divulgados, destacam-se um software capaz de diagnosticar uma causa comum da cegueira chamada retinopatia diabética que já está em teste na Índia. Há também ferramentas que monitoram os níveis de açúcar no sangue, qualidade do sono, frequência cardíaca e até “robôs cirurgiões”, que aprendem a cada operação e são chamados de robótica cirúrgica.

Algoritmos, dados: o troféu da tecnologia

O desenvolvimento de todas essas inovações só é possível graças aos dados e algoritmos provenientes dos registros eletrônicos, presentes hoje em quase todo o mundo. Através de um banco de dados eficiente e completo, os profissionais da saúde conseguem obter dados extremamente relevantes para ajudar no diagnóstico e até na escolha do tratamento.

Neste ponto o Google tem uma enorme vantagem, já que a empresa é uma das líderes em armazenamento de dados completos. É claro que a segurança é uma preocupação da empresa e “não invadir a privacidade” é a regra número 1, para isso, a empresa investe no fornecimento espontâneo dos dados pelos pacientes, conscientes de que aquelas informações ajudarão de alguma forma em sua saúde e bem-estar.

A tecnologia e o mapeamento genético

Outra área onde a tecnologia atua com precisão e inteligência é no mapeamento genético feito através da combinação: ciência e tecnologia. Hoje, inúmeros exames permitem que os profissionais da saúde descubram doenças hereditárias e alterações nos genes, gerando assim o incentivo ao tratamento preventivo, evitando consequências graves e tardias que este tipo de doença pode causar.

Diferente dos exames comuns, o mapeamento genético é muito mais complexo e só pode ser interpretado por um profissional da área genética. Hoje, estes profissionais já conseguiram reconhecer inúmeros genes responsáveis por diversas doenças.

Um caso muito famoso de mapeamento genético foi da atriz norte-americana, Angelina Jolie, que em 2013 fez um exame para ver as condições de 2 genes, chamados pela empresa que mapeou de: BRAC1 e BRAC2. Infelizmente ela descobriu que, assim como sua mãe, seus genes também eram modificados e as chances de ter um câncer de mama chegavam a 85%. Como forma de prevenção, a atriz retirou as mamas naquele mesmo ano e pretende fazer a cirurgia para a retirada dos ovários, evitando também este tipo de câncer, muito comum entre as mulheres.

Tecnologia na saúde já é uma realidade

Com tantas inovações a cada dia, não podemos negar que a tecnologia voltada para a saúde já é uma realidade muito próxima, tanto dos pacientes quanto dos profissionais da saúde e ela não se restringe somente a aparelhos eletrônicos ou aplicativos para celulares, todas as estratégias têm como intuito principal melhorar a vida das pessoas.

Não há dúvidas que a tecnologia veio para somar e para aproveitá-la da melhor maneira basta deixar de lado as velhas crenças e acreditar no potencial que os números, dados e algoritmos podem proporcionar na resolução de antigos problemas e diagnósticos.